O tamanho do quadril é talvez a grande preocupação da mulher brasileira. É claro que tem gente que gosta dele grandão, bem ressaltado. Têm outras que preferem esconde-lo dos olhares curiosos dos homens e despeito das mulheres. A verdade é que nem sempre ele é de fato tão grande ou às vezes, nem mesmo é o problema. No meu caso, ressaltá-lo significa solução.
A nossa silhueta é determinada por basicamente 4 medidas, ombro, busto, cintura e quadril. Achar que ele, o quadril, é a fonte de todos os seus problemas pode ser leviano ou distorção da própria imagem. Sim, tem gente que implica com determinada parte do corpo, mas na verdade, essa parte, nem é problemática de fato.
Vamos usar como exemplo as minhas medidas e as da minha cunhada:
Tenho 104 cm de circunferência de ombro a ombro, 106 cm de busto, 95 cm de cintura e 112 de quadril. Olhando simplesmente para as medidas, vemos uma diferença até equilibrada entre eles, porém, essa diferença de apenas 16 cm entre quadril e cintura, me faz parecer mais tubular do que ampulheta. Ou seja, tenho pouca cintura para o meu tamanho e esse é o meu problema. Solução para mim? Aumentar o quadril e os ombros. Sim, aumentar o quadril! Só assim, visualmente, eu aumento a diferença da cintura para as outras partes do meu corpo, criando uma silhueta mais aproximada da ampulheta (sempre o objetivo).
Minha cunhada tem 98 cm de ombro, 78 cm de cintura e 108 cm de quadril. Olhando logo de cara para ela, você acha que ela tem um super quadril, mas na verdade o que complica a silhueta dela é a cintura muito fina em relação aos ombros e principalmente ao quadril (são 30 cm de diferença, lembram da minha?). Minha cunhada, caso ela queira disfarçar essa diferença, deve evitar o uso de roupas que marquem a cintura, e usar roupas com um pouco mais de volume nos ombros.  Ainda bem que ela não implica com o quadril!
Resumindo o assunto: pegue uma fita métrica e defina que tipo de silhueta você tem. Esqueça traumas da adolescência e se apegue ao real. Friso bem isso, AO REAL! Já ouvi muitas declarações de ódio mortal ao quadril, quando na verdade o problema era outro, e pior, esculhambação a corpos completamente harmônicos, mesmo sendo mais cheinhos.
Vamos parar de arrumar problemas, meninas. Vamos correr atrás de soluções! As roupas estão aí para nos ajudar e vou começar uma série de dicas para cada uma das silhuetas. Aguardem!
Podem deixar, nos comentários, suas medidas, e tentarei te ajudar a decifrar qual é a sua silhueta.