Eu não sou modelo! - por Dani Oliveira

Traduz Aí

Primeiro, achei esse nome super ridículo. Segundo, achei essa tendência mais ridícula ainda. Adoraram meu resumo? Vrá! Na verdade, Normacore vem de “Normal Hardcore” , ou seja, ser super normal.  Canseira desses termos, juro! Na verdade a proposta do momento é ser menos frufru e mais conforto. Para que usar salto alto se você vai andar durante o dia todo? Para que usar roupa justa se você vai precisar de conforto para enfrentar o dia? Para que se arrumar como se fosse para uma festa às sete da manhã? A vida pede agilidade, conforto e ser fashion, segundo a cartilha “normcore”, é valorizar isso acima de tudo.

Achei interessante ler de uma jornalista de moda o quanto ela se sentiu ridícula por estar montada demais numa semana de moda (corre-se mais do que maratona), na metade do dia os pés já doíam e foi quando ela constatou que as pessoas estavam tendo mais juízo na hora de se vestir. Por sinal, eu li vários artigos sobre o assunto e cada um que desse uma versão dos fatos mais esdrúxula que outro. No meu entendimento, Normcore é se vestir de acordo com o seu dia a dia, respeitando códigos de vestimenta e aliando sempre conforto. É mais um movimento para simplificarmos a vida do que uma modinha.

O tênis é o símbolo máximo desse movimento. Nos países com sistema de metrô como principal meio de transporte, eles reinam absolutos e, por isso mesmo, eles deixaram de ser escondidos na bolsa após o uso inicial. As cores são mais neutras para ninguém perder tempo tentando combinar as peças. Os tecidos são mais naturais e os cortes mais soltos. No Brasil, eu tenho uma “ídola” desse movimento e tenho me inspirado muito nela toda vez quando quero montar um look, estou falando da consultora de estilo Bia Paes de Barros (@biapaesdebarros) Algumas de vocês irão reconhece-la do Vamos Combinar do canal GNT e desde que a vi no SPFW, o estilo dela me encantou.

Bia

Bia1

Bia2

Agora, antes que você saia de pijama por aí, o movimento não é sair de casa carregando o lençol, é ter cuidado com a aparência de forma despretensiosa. Nada de cara lavada ou roupas sem “liga”.

 

Sem categoria

Eu fiz painéis de planos e planejamento do que quero fazer em 2015. Já dizia minha terapeuta, ler em um papel é quase como assumir um compromisso. Eu deveria registrar em cartório e pedir por testemunhas também. Vamos dizer que eu não sou uma pessoa muito confiável quando se trata de executar algum planejamento. Talvez essa deveria outra meta: cumprir pelo menos uma das metas. Por enquanto, vou acreditando que num ano novo, serei uma nova mulher (oia!). E num desses planos está voltar a escrever com regularidade por aqui, buscar novas pautas, fotografar mais looks e, quem sabe, retomar ao projeto dos vídeos – que morreu na praia antes mesmo de pular a primeira ondinha.

Como semana passada eu fiz um post com os itens que não rolaram para mim em 2014, achei que deveria fazer um post com minhas apostas para 2015. Calma, não é uma lista do que eu ou você deva comprar. Boa parte dos itens eu já introduzir em meu guarda-roupa, eu só pretendo usar mais. Para 2015, eu vou querer uma moda sem frescura, sem fru-frus, sem saltos altos ou roupas apertadas. Dificilmente, eu usarei calças jeans ou estampadas justas. Também não está na minha lista roupas que sejam muito descartáveis. Quero menos peruice e mais estilo. Quero fazer mais roupa do que comprar pronta (tenho zilhões de tecidos acumulando poeira). Por fim, quero me preocupar cada vez menos com adequações e simplesmente viver. Por isso, aí estão os meus escolhidos para esse ano.

2015

=> Saia : definitivamente elas continuarão reinando nos meus looks. Midi, curta, longa, na forma de vestido, não importa, em 2015 continuarei meu eterno amor por elas.

=> Rasteira gladiadora : esse será o meu “sapato”. Reforço garantido com as novas que comprei em liquidação. Vale a pena ficar de olho nelas, no fim, usaremos bem mais do que as sandálias de salto.

=> Tênis : como eu vivi sem eles? Novidade que entrou em meu guarda-roupa e irá se fortalecer em 2015. Ele se junta ao estilo “normcore” que anda se espalhando por aí (farei um post explicando sobre isso).

=> Jaqueta Bomber : por fim, minha companheira há dois anos.  Sai os blazers e entra ela absoluta nos looks de inverno (ainda mais porque comprei duas lisas da Stella para C&A).

E vocês, apostam/desejam o que em 2015? 

Sem categoria

Vrá! Chegamos na última semana do ano e bateu aquele clima de total nostalgia por tudo o que foi feito e por aquilo que foi deixado para trás. Esse ano para mim foi bem atípico. Viajei muito, comprei menos (ok, 10% menos), me abusei da moda, fui relapsa com o blog e até comigo mesma, já que engordei alguns quilinhos. Deixei oficialmente o Flamenco, não fiz (mais uma vez) o bazar que deveria ter feito e a poupança continua zerada. Aí você pergunta, foi um ano ruim? Não, para mim não. Foi um ano que por ter abusado da moda, passei a ficar menos desesperada pelas novidades, aproveitei mais o que tinha e me desprendi das regras (totalmente!).

Estando mais reflexiva, acabei por desprezar algumas coisas que foram sensação nas lojinhas esse ano.  Também pouco liguei para as semanas de moda e até mesmo minhas consultas diárias aos blogs das colegas, ficaram mais espaçadas. Eu realmente esnobei a moda feita pelos outros, preocupei-me apenas com a minha, aquela que eu fazia dentro do meu closet. Por isso, alguns itens ficaram fora da minha lista de compra, não pensei nem por um segundo em comprá-los, e são eles:

novo3

=> Birken – Não deu, não dá, nem dará… Essa sandália é muito feia e nem com todos os cristais do mundo, ela fica bonita. E toda vez que eu olho para elas, vejo essa lateral e imagino na dor que é ficar pisando nela. Não!

=> Body – Ah, gente… Ok que eu prego pela liberdade da gordinha e que podemos tudo, mas definitivamente, esse tipo peça só serve para quem tem as costas e a barriga em forma. Eu definitivamente fiquei fora de qualquer uma das alternativas. E além de tudo, eu achei essa modinha tão Tribo’s (quem é daqui, saberá… hihihihi). No way!

=> Botas Cut Out – Desisti! Botas pesadas demais no clima de Recife, não dá. Em outra vida, quando eu nascer num país que viva nos 18 graus, eu topo. Aqui, não!

=> Top Cropped – Não dá! Só fico imaginando eu sentada em algum lugar, usando esse top, e tudo explodindo a minha volta. Meu nível de semancol considera esse tipo de coisa. Novamente, seria possível se minha barriga e costas fossem ok, mas não sendo…. Deixo para Camila Coutinho.

E vocês, o que entrou na moda e não teve jeito de entrar no guarda-roupa de vocês?

 

No portão do cemitério, ério, ério, ério… Todo mundo cantando! kkkkk… Ok, brincadeira sem graça e eu sou tabacuda, mas  o fato é: roxo e verde combinam. Então, por que não usá-las num mesmo look? Nem sei bem como surgiu essa combinação, acho que puxei a blusa para juntar com a calça de moletom e instantaneamente peguei a sandália verde. Claro, que para trazer um maior equilíbrio, coloquei um colar que tivesse tons de verde e esse é um truque infalível para trazer mais harmonia ao look quando brincamos com cores fortes, principalmente nos pontos extremos, como nos pés. Lembra da regra? Os olhos seguem pros pés, mas voltam atraídos por outra coisa perto do rosto.

A calça de moletom é puro conforto e entra nessa categoria “normcore” que andam falando. Por sinal, preciso fazer um post falando sobre isso. O novo momento da moda, que pra mim, não passa mais de uma invenção. Enfim, farei! Bem, meninas, essa é a minha proposta para hoje, espero que gostem.

Créditos | Blusa, costureira | Calça Gap | Colar, acervo bem antigo | Bolsa Via Mia | Sandália Arezzo.

IMG_8973

IMG_8981

IMG_8990

IMG_8991

IMG_8996

IMG_9018

Página 2 de 20412345...Última »